Homem foi reconhecido por um policial civil de folga na cidade de Imperatriz Crédito - Foto - DICOM SSP TO

A Polícia Civil do Tocantins, por intermédio da Delegacia de Repressão à Roubos (DRR), de Araguaína, concluiu, nesta quarta-feira, 6, investigação de roubo de cargas e identificou os integrantes de uma quadrilha especializada em roubos de cargas de cigarros que atuava no Maranhão, Pará e Tocantins. No decorrer dos trabalhos investigativos, dois indivíduos foram presos.

Coordenadas pelo delegado Breno Eduardo Campos Alves, as investigações foram iniciadas ainda no início do ano de 2020 quando os membros da quadrilha, que já atuava nos estados do Pará e também no Maranhão, passaram a agir também no Tocantins, praticando crimes na cidade de Araguaína.

Modus Operandi

Segundo o delegado Breno, as investigações da DRR, apontaram que, durante as ações delituosas, os criminosos abordavam os motoristas e entregadores da empresa de cigarros e os levavam para a zona rural, onde transferiam as cargas para outros veículos. Em seguida, eles libertavam as vítimas, que tinham ficado como reféns nas mãos dos criminosos durante a execução do crime.

Prisões

Durante as investigações, o indivíduo de iniciais D.G.F.D.S, de 29 anos foi preso em Araguaína. O outro suspeito de iniciais M.F.D.C, de 32 anos foi capturado na cidade de São Geraldo do Araguaia.

Nesta quarta-feira foram cumpridas as prisões preventivas dos investigados, sendo que os dois indivíduos seguem presos na unidade penitenciária de Marabá e na de Redenção, ambas no Pará, por diversos crimes de roubo cometidos no Pará e no Tocantins.

O Delegado Breno Alves informou que “do ponto de vista monetário, as ações criminosas se constituem nos crimes de maior vulto, ocorridos em Araguaína no ano passado, ou seja, os maiores roubos em valores, motivo pelo qual a identificação dos criminosos e a responsabilização destes é ato de extrema importância para trazer mais segurança pública na cidade”, pontuou a autoridade policial.

As ações de investigações contribuíram de forma efetiva para a identificação de outros integrantes da quadrilha, os quais foram presos em ações pontuais nos Estados do Pará e também do Maranhão.

Deixe uma resposta