Foto: Luciana Pires

No dia a dia, muitos os chamam de amarelinhos, outros se referem a eles como fiscais de trânsito e até como aplicadores de multas, mas eles são agentes públicos com competências voltadas à mobilidade urbana, principalmente no que se refere à educação para o trânsito. Nesta quinta-feira, 23, quando se comemora o Dia Nacional do Agente de Trânsito, a Prefeitura de Palmas, por meio da Secretaria Municipal de Segurança e Mobilidade Urbana (Sesmu), reconhece o trabalho desempenhado pelos 81 agentes de trânsito da Capital que atuam diariamente para garantir a segurança e a fluidez do trânsito da cidade e salvar vidas.

Apesar de muitas vezes o trabalho do agente de trânsito não ser compreendido, sobretudo por condutores infratores, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) o credencia para o exercício das atividades de fiscalização e operação de trânsito e transporte. A secretaria de Segurança e Mobilidade Urbana de Palmas, coronel Alaíde Pereira Machado, destaca a importância desses profissionais para resguardar a segurança e o bem-estar da sociedade. “Os nossos agentes de trânsito têm um papel primordial em garantir a preservação da vida e a segurança viária, contribuindo sobremaneira no desenvolvimento da cidade de forma inteligente”, enfatizou.

Essa missão, embora árdua, segundo a superintendente de Trânsito e Transporte da Capital, Valéria Oliveira, é muito gratificante. “Estamos nas ruas todos os dias, sob sol ou chuva, mas sempre com o sentimento imbuído de salvar vidas”, enfatiza. A superintendente ressalta que todas as ações dos agentes, sejam educativas, de fiscalização ostensiva ou repressiva, uma averiguação ou um controle de tráfego, sempre tem como objetivo maior, resguardar e salvar vidas. “Até mesmo uma lavratura de uma infração de trânsito com efeito educativo-pedagógico tem o intuito de despertar a consciência do condutor para que ele reveja os seus atos no trânsito”, concluiu.

Sentimento de dever cumprido

É com o sentimento de dever cumprido e de ter salvado vidas que a agente de trânsito e advogada Glauce Kelly de Souza volta para casa sempre após a conclusão das escalas de trabalho. Ela está à frente do ‘Programa Balada Segura’ há dois anos e atua para coibir condutas criminosas no trânsito, no período das 19 às 7 horas da manhã do dia seguinte. “Nossa equipe atua nas noites palmenses retirando das vias públicas motoristas embriagados que podem provocar graves acidentes, inclusive com vítimas fatais; condutores que causam perturbação do sossego público com o uso de som automotivo com volume acima do permitido por lei; e também aqueles que praticam manobras arriscadas”, fala sobre o trabalho que desenvolve.

Há 21 anos atuando no trânsito da Capital, seis deles na área de Educação para o Trânsito, o agente Josimar Pereira Alencar também fala com orgulho da profissão. “A preservação e o respeito pela vida se dão por meio de ações educativas permanentes e integradas a todos os saberes e fazeres relacionados ao fenômeno Trânsito”, frisa.

De acordo com Alencar, o setor de Educação para o Trânsito tem o grande desafio de conscientizar os condutores a praticarem conhecimentos das normas gerais de circulação e conduta no trânsito. Para tanto, são desenvolvidas ações nas unidades educacionais da rede municipal e estadual de ensino, com atividades educativas de boas condutas no trânsito e incentivo à redução de acidentes e mortes, palestras na iniciativa privada, ações educativas nas faixas de pedestres, dentre outras.

Graduada em Gestão Pública e especialista em Ciências no Trânsito, a agente de trânsito kerly Cananéa ingressou na profissão em novembro de 2000. Casada com um colega de profissão e mãe de três filhos, ela se sente honrada pela profissão que escolheu para atuar: “Sou muito feliz com a profissão que exerço; e fazer parte de uma instituição que possui colegas profissionais por excelência nos faz sentir orgulho em prestar esse serviço à sociedade”, evidenciou.

Foto: Luciana Pires
Foto: Luciana Pires
Foto: Luciana Pires
Foto: Luciana Pires

Sobre os desafios da profissão, a gerente operacional de Trânsito e Transporte, Júnia Ferreira, que é mestra em Gestão de Políticas Públicas e pós-graduada em Ciências do Trânsito, cita que a frota de veículos em Palmas cresceu vertiginosamente e com isso aumentaram as dificuldades para manter um trânsito mais humano e seguro. “São muitos os desafios e, embora com efetivo proporcionalmente baixo em relação ao quantitativo de veículos circulando e ao crescimento longitudinal em velocidade recorde que vem ocorrendo em Palmas, aumentando as demandas de atuação, tenho orgulho das nossas equipes que se multiplicam pela vontade de fazer e de acrescentar para um trânsito mais qualitativo, mais humano e, por consequência, mais seguro.”

Deixe uma resposta