Operação foi deflagrada nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira. Crédito - Foto - DICOM SSP TO

A Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por intermédio da 6ª Delegacia de Atendimento à Mulher e Vulneráveis (6ª DEAMV) de Paraíso do Tocantins, deflagrou, nos dias 09 e 10 deste mês uma operação de investigação que apura a prática de crimes relacionados à divulgação de pornografia infantil no município.

Denominada de operação Cimist, resultou no cumprimento a mandados de busca e apreensão domiciliar, que foram cumpridos em residências em Paraíso, ocasião em que objetos relacionados à investigação foram apreendidos. O objetivo, segundo o delegado responsável pelo caso, José Lucas Melo, é a coleta de informações sobre o envolvimento de pessoas suspeitas de participação com o armazenamento e divulgação de imagens íntimas de menores.

De acordo com o delegado José Lucas, os itens apreendidos consubstanciarão as investigações que serão intensificadas. “As diligências terão continuidade, uma vez que, a apuração de delitos contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes é de suma importância, pois se trata de crimes que atingem menores, os quais por sua vez, nem fazem ideia que suas imagens possam estar sendo expostas”, disse a autoridade policial.

Operação foi deflagrada nas primeiras horas da manhã desta sexta-feira.
Crédito – Foto – DICOM SSP TO

O delegado também destacou ainda a necessidade de se redobrar a atenção ao uso de eletrônicos por parte dos jovens e também alerta pais e responsáveis para que fiquem alerta e supervisionem os conteúdos acessados por crianças e adolescentes.

“Atualmente, vem chamando a atenção o número de casos em que imagens íntimas de crianças e adolescentes circulam nas redes sociais. Utilizando-se de diversos artifícios, criminosos vêm ludibriando os jovens para que enviem esse tipo de conteúdo. Em seguida, começam a extorqui-los com exigência de mais envios sob pena de ver publicado aquilo que já está em poder do meliante.

Os criminosos fazem promessas de valores em dinheiro, ofertas de proposta para trabalho como modelo e etc. Usam, para isso, perfis falsos, com o objetivo de atrapalhar as investigações”, ponderou a autoridade policial.

A operação foi batizada de CIMIST, em alusão à divindade da mitologia grega que cuidava das crianças

PUBLICIDADE

Deixe uma resposta